Quadrante

artigos - resultado da busca

voltar

Homilia do funeral do Papa João Paulo II

Por Joseph Ratzinger

Texto da homilia proferida pelo Cardeal Joseph Ratzinger durante os funerais do Papa João Paulo II, no dia 08 de abril de 2005

“Segue-me” – o Senhor Ressuscitado diz esta palavra a Pedro, como a sua última a este discípulo, escolhido para apascentar o seu rebanho. “Segue-me” – esta palavra lapidar de Cristo pode ser considerada a chave para compreender a mensagem que vem da vida do nosso pranteado e amado papa João Paulo II, cujo corpo hoje depositamos na terra como semente de imortalidade – o coração cheio de tristeza, mas ao mesmo tempo de alegre esperança e profunda gratidão. Estes são os sentimentos do nosso ânimo, irmãos e irmãs em Cristo, presentes na Praça de São Pedro, nas ruas adjacentes e em vários outros lugares da cidade de Roma, povoada nesses dias por uma imensa multidão silenciosa e orante.

A todos saúdo cordialmente. Em nome também do Colégio dos Cardeais desejo dirigir meu respeitoso pensamento aos chefes de estado, de governo e às delegações dos vários países. Saúdo as autoridades e os representantes das igrejas e comunidades cristãs, bem como das diversas religiões. Saúdo ainda os arcebispos, bispos, os sacerdotes, os religiosos, as religiosas, e os todos os fiéis que vieram de todos os continentes; especialmente os jovens, a quem João Paulo II gostava de chamar de futuro e esperança da Igreja. Minha saudação alcança, além disso, a todos aqueles que em todo o mundo estão unidos conosco pelo rádio e televisão nesta celebração do solene rito de despedida de nosso amado pontífice.

“Segue-me” – desde jovem estudante, Karol Wojtyla era entusiasta da literatura, do teatro, da poesia. Trabalhando numa fábrica química, circundado e ameaçado pelo terror nazista, ele ouviu a voz do Senhor: “Segue-me”! Neste contexto muito particular, começou a ler livros de filosofia e teologia, e então entrou no seminário clandestino criado pelo cardeal Sapieha. E, depois da guerra, ele pôde completar seus estudos na faculdade de teologia da Universidade Jaghellonica de Cracóvia. Com que freqüência, em suas cartas aos sacerdotes e nos seus livros autobiográficos, ele nos falou de seu sacerdócio, ao qual foi ordenado em 1.º de novembro de 1946. Nesses textos, ele interpreta seu sacerdócio em particular a partir de três palavras do Senhor.

Antes de tudo, esta: Não fostes vós que me escolhestes a mim, mas fui eu que vos escolhi a vós, e que vos destinei para que vades e deis fruto, e para que s o vosso fruto permaneça(João 15,16). A segunda palavra é: O bom pastor dá a sua vida pelas ovelhas (João 10,11). E finalmente: Como o Pai me amou, assim também eu vos amei. Permanecei no meu amor(João 15,9). Nessas três palavras vemos toda a alma de nosso Santo Padre. Ele realmente foi a toda parte e, incansavelmente, para dar fruto, um fruto que permanece. Levantai-vos! Vamos!, é o título de seu penúltimo livro. “Levantai-vos! Vamos!” – com essas palavras ele nos despertou de uma fé letárgica, do sono dos discípulos de ontem e hoje.

“Levantai-vos! Vamos!” ele continua a nos dizer, ainda hoje. O Santo Padre foi sacerdote até o fim, pois ofereceu sua vida a Deus por seu rebanho e por toda a família humana, numa doação cotidiana a serviço da Igreja, especialmente nas difíceis provações dos últimos meses. Assim ele se tornou uma só coisa Cristo, o bom pastor que ama suas ovelhas. Finalmente, “permanecei no meu amor”: o papa que buscou o encontro com todos, que tinha uma capacidade de perdão e de abertura do coração para todos, nos diz ainda hoje, com essas palavras do Senhor: permanecendo no amor de Cristo, aprendemos, na escola de Cristo, a arte do verdadeiro amor.

“Segue-me!” Em julho de 1958, começa para o jovem sacerdote Karol Wojtyla uma nova etapa no caminho com o Senhor, nas pegadas do Senhor. Karol havia se dirigido, como sempre, com um grupo de jovens apaixonados pela canoagem aos Lagos Masurianos em férias comunitárias. Mas ele levava consigo uma carta convidando-o a se apresentar ao primaz da Polônia, cardeal Wyszynski. Ele podia adivinhar o propósito do encontro: a sua nomeação para bispo-auxiliar de Cracóvia. Deixar o mundo acadêmico, deixar essa estimulante comunhão com os jovens, deixar o grande combate intelectual para compreender e interpretar o mistério da criatura humana, para fazer presente no mundo de hoje a interpretação cristã de nosso ser – tudo isso devia lhe parecer como um perder a si mesmo, perder tudo o havia se tornado a identidade humana deste jovem padre.

“Segue-me” – Karol Wojtyla aceitou, sentindo no chamado da Igreja a voz de Cristo. E então percebeu como é verdadeira a palavra do Senhor: Quem que procura salvar a própria vida a perderá, e quem ao contrário a tiver perdido a salvará conservará (Lucas 17,33). Nosso papa – sabemos todos – não quis jamais salvar a própria vida, mantê-la para si; desejou doar-se a si mesmo sem reservas, até o último momento, por Cristo e, portanto, também por nós. Desse modo, pôde experimenta como tudo o que havia entregue nas mãos do Senhor voltou de maneira renovada: o amor à palavra, à poesia, às letras, foi uma parte essencial de sua missão pastoral e deu nova vitalidade, nova atualidade, nova atração ao anúncio do Evangelho, mesmo quando ele é sinal de contradição.

“Segue-me!” Em outubro de 1978, o cardeal Wojtyla mais uma vez ouviu a voz do Senhor. Renova-se o diálogo com Pedro reportado no Evangelho desta celebração: “Simão de João, me amas? Apascenta as minhas ovelhas!” À pergunta do Senhor, “Karol, me amas?”, o arcebispo de Cracóvia respondeu, do fundo do coração: “Senhor, tu sabes tudo, sabes que te amo. O amor de Cristo foi a força dominante no nosso amado Santo Padre. Quem o viu rezar, quem o ouviu pregar, sabe disso. Graças a suas profundas raízes em Cristo, ele foi capaz de suportar um peso que vai além das forças puramente humanas: ser pastor do rebanho de Cristo, sua Igreja universal.

Esta não é a hora de falar do conteúdo específico de um pontificado tão rico. Gostaria apenas de ler duas passagens da liturgia de hoje que refletem os elementos centrais de sua mensagem. Na primeira leitura, São Pedro diz – e diz o papa com São Pedro – a nós: “Na verdade, reconheço que Deus não faz acepção de pessoas, mas que aquele que o teme e pratica a justiça, em qualquer nação, lhe é agradável. Deus enviou a sua palavra aos filhos de Israel, anunciando-lhe a paz por meio de Jesus Cristo, que é o Senhor de todos” (Atos 10,34-36). E, na segunda leitura, São Paulo – e, com São Paulo, nosso falecido papa – exorta-nos em voz alta: Meus irmãos caríssimos e tão queridos, minha alegria e minha coroa, permanecei firmes no Senhor, como aprendestes, caríssimos (Filipenses 4,1).

“Segue-me!” Juntamente com a ordem de apascentar o rebanho, Cristo anunciou a Pedro o seu martírio. Com essa palavra conclusiva e resumidora do diálogo sobre o amor e sobre o mandado de pastor universal, o Senhor remete a outro diálogo, mantido durante a última ceia. Ali, Jesus havia dito: Para onde eu vou vós não podeis ir. Pedro disse a ele: Senhor, para onde vais? Jesus respondeu: Para onde eu vou não podes seguir-me agora; mais tarde, porém, me seguirás (João 13,33.36). Jesus da ceia vai à cruz, vai à ressurreição – entra n mistério pascal; e Pedro ainda não pode segui-lo. Agora – depois da ressurreição – chega esse momento, esse “mais tarde”. Apascentando o rebanho de Cristo, Pedro entra no mistério pascal, vai em direção à cruz e à ressurreição. O Senhor diz isso com estas palavras: ...quando eras mais moço...ias aonde querias; mas, quando fores velho, estenderás as mãos e outro te cingirá a veste, e te levará para onde tu não queres (João 21,18). No primeiro período de seu pontificado, ainda jovem e cheio de forças, o Santo Padre, guiado Cristo, ia até aos confins do mundo. Mas, depois, ele cada vez mais entrou na comunhão dos sofrimentos de Cristo; cada vez mais compreendeu a verdade das palavras: “e outro te cingirá...”. E nesta verdadeira comunhão com o Senhor sofredor, ele anunciou, incansavelmente e com renovada intensidade, Evangelho, o mistério do amor que vai até o fim (cf. João 13,1).

Ele interpretou para nós o mistério pascal como um mistério de divina misericórdia. Em seu último livro, escreveu: o limite imposto ao mal “é, em definitivo, a divina misericórdia” (Memória e Identidade, pág. 70). E, refletindo sobre o atentado, diz: “Cristo, sofrendo por todos nós, deu novo sentido ao sofrimento, introduziu-o em uma nova dimensão, em uma nova ordem: a ordem do amor... É o sofrimento que queima e consome o mal com a chama do amor e extrai até mesmo do pecado uma multiforme florescência de bem” (pág 199). Animado por essa visão, o papa sofreu e amou em comunhão com Cristo, e é por isso que a mensagem de seu sofrimento e de seu silêncio foi tão eloqüente e fecunda.

Divina Misericórdia: o Santo Padre encontrou o mais puro reflexo da misericórdia de Deus na Mãe de Deus. Ele, que perdeu a mãe em tenra idade, amou ainda mais a Mãe divina. Ele ouviu as palavras do Senhor crucificado como se dirigidas a ele, pessoalmente: Eis aí tua mãe. E então ele fez como o discípulo predileto: acolheu-a no íntimo de seu ser. (eis ta idia: João 19,27). Totus tuus. E da mãe aprendeu a se moldar em Cristo.

Para todos nós permanece inesquecível como, nesse último domingo de Páscoa de sua vida, o Santo Padre, marcado pelo sofrimento, apareceu mais uma vez à janela do Palácio Apostólico e uma última vez deu a bênção “Urbi et Orbi”. Podemos estar certos de que nosso amado papa está agora à janela da casa do Pai, que ele nos vê e nos abençoa. Sim, abençoa-nos, Santo Padre. Confiamos tua cara alma à Mãe de Deus, tua Mãe, que te guiou cada dia e que te guiará agora à glória eterna do seu Filho, Jesus Cristo, nosso Senhor. Amém.


Fonte: Site Oficial do Vaticano

Tradução: -

enviar este artigo para um(a) amigo(a)

Preencha o seguinte formulário para enviar a um(a) amigo(a) o artigo:

Dados do(a) amigo(a)
Seus dados
Nota Adicional: (Acrescente, se quiser, algum comentário)

« voltar